Loading...


SELVA AMAZÔNIA BRASIL: Por que isso é muito importante para o planeta?

O artigo seguinte foi publicado nesta média em agosto de 2017 – na data de hoje as coisas são … pior.
SELVA AMAZONICA BRASIL – PERIGO SÉRIO – No final de agosto de 2017, o Brasil abriu para empresas privadas de mineração uma enorme reserva amazônica do tamanho de, por exemplo, a República Dominicana, que, é claro, causou um tremendo escândalo.

Nós estávamos em vinte e cinco de agosto, dois mil e dezessete, e o presidente brasileiro daquela época acabara de anular uma enorme reserva natural localizada nos pulmões do mundo: a floresta amazônica. As organizações ambientais estimaram que os danos ao meio ambiente seriam, se essa barbárie ocorrer, realmente inestimáveis. Fazia meses desde que uma fundação dedicada à defesa do meio ambiente publicou que o Brasil estava vivendo uma ofensiva sem precedentes em áreas protegidas. O então presidente Temer, como muitos outros, agiu sem o menor dos escrúpulos e, provavelmente, sem medir as conseqüências para o país e mesmo para o planeta.

Ninguém escapa por trás desse tipo de vontade, há muitos negócios, e esse tipo de líder político não se move para o bem comum, mas para o comum de seus bens e para tornar aqueles que já são mais ricos. Nós o vemos e também o vemos na Espanha, onde todos os dias vemos como a melhora econômica, quando chega, serve para alguns se tornarem ainda mais ricos e, se for o caso, distribuindo uma pequena migalha para o resto da população.

Mas eu estou indo para o que estamos indo, que neste caso é a floresta amazônica do Brasil. A Reserva Nacional de Cobre e Associados foi criada em mil novecentos e oitenta e quatro durante o regime militar de João Figueiredo para a área entre os estados nórdicos do Brasil. Durante trinta e três anos, a atividade de mineração e comercial na área tem sido responsável pela Companhia Brasileira de Recursos Minerais e das empresas autorizadas por este. O cobre já é explorado lá hoje, mas existem estudos geológicos que sugerem que há ouro, manganês, ferro e outros minerais.

Um diretor do Departamento Nacional de Produção Mineral, Victor Hugo Froner, é quem acordou a opinião pública. Esta área protegida até recentemente é a "última fronteira do potencial geológico do planeta". O senador do partido ecologista da Rede-AP, Randolfo Rodrigues, descreveu a resolução de Temer como "o crime mais sério contra a natureza amazônica" que ocorreu desde a década de 1970. Este homem, Rodrigues, criticou que não houve sequer o diálogo mais absoluto.

A comunidade científica internacional está horrorizada e nos alertou para nos prepararmos para a iminente destruição da bacia amazônica. Um relatório da Fundação WWF Brasil disse que a resolução de Temer contra essa área protegida, cuja extensão é equivalente à da República Dominicana, deveu-se a "pressões" no Parlamento. E é que eles estavam e estão em risco para nove áreas protegidas do Amapá, por exemplo, o Parque Nacional da Serra do Tumucumaque, a Estação Ecológica Jarí, as reservas do rio Cajarí, o rio Iratapuru e o território indígena do povo Wajãpi. .

Esse decreto de Temer causou tanta controvérsia, que até a modelo brasileira Gisele Bündchen, que já conhecemos está muito disposta a participar de campanhas relacionadas à defesa do Meio Ambiente, chamou tudo isso de "vergonha" em sua conta no Twitter, e colocou o grito no céu afirmando que «as áreas protegidas não podem ser destruídas em favor de interesses privados».

Outro valente que levantou a voz foi o secretário executivo do Comitê Nacional em Defesa dos Territórios contra a Mineração, Jarbas Viese. Ele disse que as medidas adotadas pelas autoridades brasileiras afetariam seriamente as zonas ecológicas e as pessoas que vivem naquele território.

Sinceramente, acho que, se você ler ou ver isso além de agosto de 2017, as coisas que têm a ver com esta notícia foram silenciadas. O que não significa, infelizmente, que alguém os tenha parado. Ou sim? E você, o que você acha disso?


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *